Festa Junina da Escola

Me chamo Daniela, mas onde moro só me conhecem por Dani. Tenho 19 anos, 1,62 com peso proporcional a altura, pele morena, cabelos loiros e um corpo bem atrativo, pelo menos para quem me viu. Gosto muito da praia, por isso tenho marcas de bronzeado e isso colabora para que me achem atraente.

Depois de ceder as chantagens do amigo de meu sobrinho, minha relação com ele acabou perdendo um pouco do brilho, notando os olhares dele que aparentavam estar cheios de culpa por ter me apostado assim. Mesmo depois de ter me comido duas vezes na mesma noite, Caio continuava insistindo em querer ir com Yago(meu sobrinho) até minha casa, porém isso não aconteceu mais durante o período de 3 meses.

Com a chegada do mês de Junho, as festividades juninas ganhavam mais proporções, uma delas na escola onde Yago estudava. Ele estava comprometido a dançar na quadrilha de sua turma, algo que o mesmo nunca gostou e que fez a mãe dele se animar muito em ir assistir. No entanto no dia da apresentação, recebi uma ligação dela avisando que não poderia acompanha-lo por conta do trabalho, por isso pediu a mim para que o fizesse. Tentei recusar, mas foi em vão, acabando por aceitar e achando que isso poderia resolver as coisas entre eu e ele de uma vez.

Me vesti adequadamente para esse tipo de evento, nada além que uma blusa quadriculada e uma saia bordada que cobria até os joelhos, além de uma bota de couro e acessórios que combinassem. Fui diretamente até a escola, onde me encontrei com Yago e o percebi meio cabisbaixo. Aproveitando o tempo que ainda tinha até sua apresentação, fiz um passeio com ele pelas barracas na tentativa de deixa-lo mais tranquilo e animado, conseguindo isso até acabarmos nos deparando com Caio e mais dois meninos, um deles mais velho e que aparentava ser “líder” da trupe.

Caio – Eae, Yago… A professora tá te procurando.

Notei Yago voltar a baixar a cabeça, então coloquei minha mão em seu ombro e tentei motivar o mesmo a ir, logo o vendo seguir com Caio para onde a turma dele estava esperando. Olhei para os outros dois que ficaram por um instante, percebendo um sorrisinho deles. Um aparentava ter no máximo 15 e o mais velho 16 anos. Apenas me virei e sai caminhando, decidindo ir no banheiro para acompanhar a apresentação mais aliviada.

No entanto, quando estava pra sair do banheiro, senti alguém me agarrando por trás e empurrando para dentro de uma das cabines enquanto tampava minha boca com mão. Percebia o nervosismo dele só pela respiração pesada em sua nuca, então o ouvindo dizer algo que fez seu corpo inteiro tremer.

– Quero ver se é gostosa como o Caio disse…

Me perdi em pensamentos no misto de medo e vergonha, então notando ele ergue minha saia e colocar a calcinha de lado. Tentei me desvencilhar, mas ele era mais forte, não tendo dificuldades e socar o pau pra dentro de minha buceta ainda molhadinha depois de ser lavada. O tamanho não era fora do comum, mas ainda sim conseguiu preencher boa parte do interior da minha caverninha.

Senti cada estocada dele deslizando dentro de mim, me fazendo fechar os olhos como se estivesse adormecendo. O ritmo acelerado e desengonçado do mesmo meio que lhe excitava, sentindo prazer em ser violada daquela forma por um desconhecido. Em dados momentos o pau dele escapava de dentro de si pela pressa, sendo que em uma dessa acabou por entrar no meu cuzinho apertado. Não sei se ele notou, mas continuava a manter um ritmo forte até que tirou o pau de uma vez e gozou em cima da minha bunda.

– Puta gostosa…

Permaneci imóvel enquanto notava a respiração dele acelerada, então sentindo minha bunda sendo aberta pela mão dele, o que provavelmente lhe deu a visão da entrada de meu cuzinho abertinha e avermelhada.

– Espera, comi seu cu também? Tão apertada que nem percebi a diferença.

Fiquei excitada em ouvir aquilo, me surpreendendo ao sentir o mesmo encostar e invadir o pau meia bomba de novo em meu rabinho, iniciando movimentos lentos enquanto me enrabava.

– Um cuzinho assim merece atenção especial.

Foram quase 20 minutos dele comendo meu cuzinho, o que me fez perder a apresentação de Yago e também me deixou com o rabinho todo assado. Cheguei a gozar uma vez, mas ele simplesmente saiu do banheiro sem gozar de novo. Esperei alguns segundos pra me recompor antes de sair do banheiro, me encontrando com meu sobrinho para ir pra casa sem nem saber quem me pegou daquele jeito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *